Segunda-feira, 29 de Janeiro de 2007

Irlanda e aborto

É raro ler boas notícias nas primeiras páginas. Na Irlanda do Norte Católicos e Protestantes chegaram a acordo e a polícia vai ser composta por elementos desses dois grupos, na percentagem em que existem na população. A polícia deixará de ser vista pelos católicos como o exército inimigo e passará a ser vista como uma força de Paz. Eis o diálogo a dar frutos, frutos que a guerra não dá. E é, também, uma vitória do conceito de Europa, diferentes países a conviver em paz. Uma esperança para o país basco e para a ex-jugoslávia. Para o Mundo, até, se às Nações Unidas for dado o papel de polícia, se todos os países a ajudarem a fazê-lo.

Entre nós o conflito entre conservadores e progressistas, que existe em qualquer sociedade de qualquer tempo focalizou-se no Sim ou Não à despenalização do aborto. É grato ver como as posições se aproximam à medida que se procuram argumentos: todos concordam que se tem que fazer mais pela prevenção, que não é justo que quem mais sofra seja “o mexilhão”, como em tudo, as mulheres mais pobres e pouco instruídas; ou seja, o diálogo, mesmo partindo de posições emocionais e irracionais dá como fruto o bom senso.

 

tags:
publicado por paradoxosfilho às 12:47
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Domingo, 21 de Janeiro de 2007

Bom senso e senso comum

 

O senso comum é o bom senso de há vinte anos. O bom senso não é a verdade, nem sequer a razão: é a atitude “sensata”. Há 200 anos houve quem pensasse que chegaríamos a esta crise climática mas, embora tivesse razão, não tinha bom senso. Em 2007 a questão chegará (esperemos!) ao senso comum. É a questão do nosso tempo.

Neste sítio do TED (que agradeço ao jornal “Público”!) Hans Rosling mostra-nos como o desenvolvimento global depende, antes de tudo, da saúde— que começa por ter que resolver a fome! Mão-Tsé-Tung assim fez e, sem ter feito isso, a China não se teria desenvolvido (note-se que a migração para as cidades está a trazer a fome de novo); a saúde, que se pode medir em esperança de vida, tem melhorado imenso no mundo. Depois vem a educação e o projecto de Nicholas Negroponte de trazer computadores portáteis a 100 dólares a milhões de crianças é um salto qualitativo à vista. Uma criança no Senegal mergulha no mundo dos computadores como as nossas, aprende como aprendeu a andar e a falar: sem mestre! No nosso mundo desenvolvido, organizado para criar professores universitários, o nosso problema, como mostra Sir Ken Robinson é estarmos a dar cabo da criatividade das crianças com a educação! Cedo aprendem a ter medo de errar e lá se vai a possibilidade de criar, repetem o conhecido— claro que muitos resistem e as nossas sociedades ainda conseguem ter (alguma) graça. Mas, para resolver a crise climática, vai ser precisa toda a criatividade do Mundo.

Uma pessoa ou uma organização que não admite errar está em risco. A nossa arrogante e maravilhosa civilização errou: arrisca-se demasiado a matar o planeta, o ser vivo que é Gaia, a Terra. Tudo leva a crer que, em 2007, vai mudar radicalmente o seu ponto de vista, a consciência da crise climática vai chegar ao senso comum. Mas o maior produtor de CO2 são os USA, é lá que o futuro se joga.

Hilary Clinton pode ser presidente daqui a dois anos e dois anos são muito tempo!

publicado por paradoxosfilho às 13:09
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sábado, 13 de Janeiro de 2007

Lirismo ecológico

                             

 

Hoje a Primavera em Janeiro lembrou-me de nascer

          Ficou a memória do que poderia ter sido

                                                                                                   

Saí do tempo por uma frincha que não encontro

…e não procuro muito!

Sou aquilo a que os médicos chamariam “uma consciência muito vaga num limbo amniótico”— se ainda houvesse médicos do espírito para a nossa gente que inventou a agricultura.

 

O que fizemos foi natural e perdoável

Como uma criança que fizesse um trenó para descer a ladeira.

E partisse tudo.

Fizemos o Hubble para espreitar as estrelas

E deixámos a Terra no Hospital, num dia de Domingo

Afligindo as empregadas de limpeza, com os seus pensos pequeninos, comprados a uma cigana

 

Sinto-me, hoje, como uma criança num deserto nocturno

Que se embala a si mesma, abraçada aos joelhos

E que procura a manhã com o olhar, sem sair do sítio. Porque já andou muito e ela não apareceu por isso.

(porque é que me disseram para ser criança, em pequeno, e porque é que acreditei que o não era?)

 

quando nascer vou ser criança sem pensar que o sou

e vou brincar de ser grande muito a sério,

sabendo que brinco

e vou tomar conta dos adultos,

que brincam com coisas perigosas e se podem magoar

 

quando nascer o Sol vai amanhecer e vamos todos cantar, em silencio, para o não assustar! Mas vamos cantar. Ou, até, ser música, uma música muito lenta e muito feliz

feita de chilrear de pássaros, ao longe

Na orla do deserto

 

 

publicado por paradoxosfilho às 16:33
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2007

Hubris

O Presidente Bush anunciou a sua nova estratégia para a “vitória” no Iraque: mais de 20 000 militares adicionais, destinados a ajudar os iraquianos a fazer o policiamento, sobretudo em Bagdad e num perímetro de 50 km à sua volta.

Está estudado o números de militares por km2 necessário para uma ocupação eficaz, que pacifique, pela força, um país ocupado: esse número é muito maior que o proposto por Bush (os seus adversários políticos, em maioria no Congresso, ainda um menor vão propor).

E Bush esquece que a animosidade contra os americanos que invadiram o país é parte do problema.

Se, pelo contrário, humildemente, Bush entregasse essa tarefa às Nações Unidas, com um número suficiente de militares, provenientes de todo o mundo, seria possível fazer um policiamento eficaz, ajudar, de facto, o país a deixar de ser uma terra onde se morre a caminho de casa, uma terra onde as emoções destronaram a razão. Só as Nações Unidas podem ter o prestígio, por multinacionais e isentas, para ser o polícia do Mundo. Muitos americanos vão compreendendo que o seu papel é apoiá-las, não tentar fazer o papel delas. Nas mãos certas, o formidável armamento americano poderia servir a Paz.

tags:
publicado por paradoxosfilho às 03:09
link do post | comentar | favorito
|

Lirismo sincrónico

Dor cansaço tédio – e chega um mail!

Esperança amor força…

a consciência de que há acasos simpáticos

alguém no computador central que os cria?

Sincronicidades? Mistérios do Inconsciente Colectivo?

— E se não houver acaso, como antes de se inventar o conceito,

Antes das cruzadas, antes da Hubris dos bentos?

 

Legítima defesa talvez seja, mesmo, diferente de violência

Se soubermos respeitar, quiçá amar, quem nos agride

E o não deixarmos porque nos respeitamos, amamos,

Porque somos gente também

 

É assim que digo o que penso

Em legítima defesa do direito a pensar

E a comunicar

Não há de ser o mesmo que violência;

A intenção não é ferir, é existir!

Ferir a intenção de ferir, não o corpo vítima

Das intenções violentas que o agridem

 

O poder é tirar a liberdade

E as palavras o não teem mesmo!

 

Podem até— oh! ingenuidade!—criá-la onde a não há

Repor a razão, o respeito pelo outro

O equilíbrio das emoções justas, fraternas— quem sabe? Podem!

 

Assim distingo entre a força das palavras e a do corpo físico

e, quanto às palavras destrambelhadas, elas só ferem quem delas precisar,

ajudam mesmo a conhecer, na dor, o que há para curar

 

Porém, às crianças e a quem nos ama, pesemos as palavras

digamos a razão com gentileza e com amor

— porque podemos ferir, ser violentos sem tocar no corpo—

mas digamos a razão!

Não a dizer

lembra o cirurgião que por medo não opera

— mas, se ele souber que não sabe operar

Cobarde seria se o fizesse!

 

Aprender a não ferir sem nos calarmos

Aprender as palavras certas, sua música, os tempos e os modos

Aprender,

ouvir, no silêncio difícil, o que em nós é liberdade

O que, em nós, somos nós todos.

                                                                                                                                                                                                Phil Borges, fotógrafo do mundo, a violência da nossa cultura ocidental

tags:
publicado por paradoxosfilho às 00:07
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 8 de Janeiro de 2007

Escrever

Falar com o acaso, ou com ninguém— se vale a pena?

— Ora…”sentir, sinta quem lê!”

Eu escrevo porque me faz bem

Porque me ajuda a entender, quando me leio

O que queria dizer, quando escrevi

 

Passeio, previno a prevista atrofia

Que imaginação jovem não alcança

E descubro, no meio das palavras (às vezes)

Ideias que não cabem dentro delas

— E essas é que gosto de exprimir!

 

Não! Não escrevo por prazer ou distracção

Sequer por necessidade ou por dever

Escrevo como quem procura

Procura… e não quer encontrar o que já viu

Viveu, dormiu

Procuro aquilo que, em mim, somos nós todos

E que se sente (às vezes)

                                                                                 

No desacerto certo das palavras

publicado por paradoxosfilho às 12:47
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Domingo, 7 de Janeiro de 2007

ted

http://www.ted.com/about/introduction/flash_page.cfm

http://www.ted.com/tedtalks/tedtalksplayer.cfm?key=w_davis

http://www.ted.com/tedtalks/tedtalksplayer.cfm?key=b_schwartz

http://www.ted.com/tedtalks/tedtalksplayer.cfm?key=b_saunders

http://www.ted.com/tedtalks/tedtalksplayer.cfm?key=p_gabriel

estou: entusiasmado!
publicado por paradoxosfilho às 11:07
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 5 de Janeiro de 2007

...

Tudo passa, tudo fica, tudo muda e se mantém

publicado por paradoxosfilho às 20:48
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 4 de Janeiro de 2007

Natal ortodoxo a 7 de Janeiro

       Putin exortou os jovens russos a celebrar o Natal ortodoxo, que é no dia 7 de Janeiro, porque seguem o calendário antigo. Disse que “é importante que a nova geração aceite os valores morais tradicionais”. Trata-se de um antigo membro do KGB, a polícia politica soviética, que estudou, durante anos, profundamente, o materialismo histórico. É provável que tenha o conceito da ética da responsabilidade, de que a verdade é o que é eficaz e que tenha a convicção de que se o império russo se continuar a desmembrar terá como destino inúmeras guerras pelas fronteiras dos seus vários países. É provável que Putin sinta a missão de ter mão de ferro para evitar o caos; ao que parece tem morto adversários políticos por “razões de estado”. Ao ligar-se à Igreja ortodoxa está a desvalorizar o estado laico e, assim, a desistir de integrar os estados maioritariamente muçulmanos usando a Razão, preferindo fazê-lo pela força.

Porém a Igreja ortodoxa está a fazer uma aproximação à Igreja católica e o papa Bento XVI, um intelectual, colocou-se como paladino da Razão, de novo insistindo, neste Natal, na ideia de que “a natureza de Deus é racional” e sendo o terceiro papa que se coloca claramente ao lado da ONU e da declaração universal dos direitos humanos (embora com uma interpretação sui generis). É provável que a Igreja ortodoxa também desista, com a clareza da católica, da ideia medieval de “conquistar” os outros povos para a sua fé pela força. Se assim for, se os direitos humanos forem ganhando prestígio entre os cristãos, isso ajuda os muçulmanos que se opõem à guerra contra o ocidente, dando-lhes argumentos. Há dirigentes religiosos muçulmanos que apadrinham os jovens ‘mártires” que se suicidam matando gente inocente, ou seja que apadrinham a guerra desesperada chamada terrorismo, prometendo-lhes o céu com honras especiais. Paradoxalmente o fundamentalismo cristão do actual presidente dos USA dá-lhes força, tira força aos teólogos muçulmanos que se opõem a essa doutrina da guerra ao ocidente por todos os meios. E essa polémica religiosa no seio do Islão tem uma importância desmesurada para a Paz no Mundo. Se Putin e Bush não se colocarem claramente ao lado da ONU e da declaração universal dos direitos humanos a Jihad, mal entendida, ganha força entre os muçulmanos.

Da Wikipédia: "Jihad", palavra da Língua Árabe, significa "exercer esforço máximo", podendo também ser entendida como "luta", mediante vontade pessoal de se buscar e conquistar a "fé perfeita". Ao contrário do que muitos pensam, Jihad não significa "Guerra Santa" nome dado pelos europeus à luta religiosa cristã (por exemplo: Cruzadas), mais guerra legitimada para o Islão. O que segue a Jihad é conhecido como Mujahid.

O Corão não descreve duas formas de Jihad, isto é uma invenção de Al-Ghazali (1058-1111): Uma, a "Jihad Maior", é descrita como uma luta do indivíduo consigo mesmo, pelo domínio da alma; e a outra: a "Jihad Menor",  é descrita como um esforço que os muçulmanos fazem para levar a mensagem do Islão aos que não tem ciência da mesma (ou seja, daqueles que não se submetem a Deus e à paz).

Há opiniões divergentes quanto às formas de acção que são consideradas Jihad. A Jihad só pode ser travada para defender o Islão. No entanto, alguns grupos acham que isto tem aplicação não apenas à defesa física dos muçulmanos, mas também à reclamação de terra que em tempos pertenceu a muçulmanos ou a protecção do Islão contra aquilo que eles vêem como influências que "corrompem" a vida muçulmana. A ideia da Jihad como uma guerra violenta é uma ideia criada por Ocidentais. De acordo com as formas comuns do Islão, se uma pessoa morre em Jihad, ela é enviada directamente para o paraíso, sem quaisquer punições pelos seus pecados.

De acordo com o sociólogo sírio-alemão especialista no Islão, ele próprio um muçulmano sunita, Bassam Tibi, o fenómeno do fundamentalismo islâmico é uma forma de oportunismo político de alguns grupos, que se aproveitam da noção de Jihad, desvirtuando o Islão para torná-lo um factor de acção política em proveito próprio.

 

publicado por paradoxosfilho às 14:45
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.Contador

Free Hit Counter
Free Hit Counter
Relógio do Mundo As horas nas principais cidades

.arquivos

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.Janeiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.links

.favorito

. Arte

. Afirmações de um pedreiro...

. Paradoxos filho

. Bem aventurados os pobres...

. Dignidade e respeito

. 50 anos

. O poder não é útil

. O Sol e a Lua 3

. Aquecimento global, relat...

. Escrever

.posts recentes

. Sob o signo de Sagitário

. Shministim

. "Desejo ser um criador de...

. hum

. A Verdade interessa

. Toghether

. "The true genius of Ameri...

. On the top of the world

. "De alma e coração", Uran...

. A Democracia americana ai...

. Zeitgeist

.tags

. 25 de abril

. aborto

. américa do sul

. amor

. analogias

. aquecimento global

. aristóteles

. astrologia

. beatles

. bento xvi

. bob dylan

. bolhão

. bom senso

. brasil

. bush

. caos kafkiano

. castelhano

. charlot

. chavez

. cidades

. ciência

. co2

. Constituição

. criatividade

. crise climática

. crop circles

. democracia

. desenvolvimento

. dignidade

. direita

. direitos humanos

. dr. mendes

. durão barroso

. ecologia

. educação

. emoção

. energia

. erro

. espírito

. esquerda

. estética

. ética

. europa

. f. pessoa

. f.pessoa

. família

. fome

. fumar

. g8

. gaia

. gelo

. globalização

. hipocrisia

. hospital

. humildade

. humor

. iatrogénica

. Ibéria

. império

. imprensa

. inconciente

. inconsciente

. infância

. iraque

. Islão

. jihad

. josé socrates

. jovens

. justiça

. karl marx

. lei

. liberdade

. livro-do-desassossego

. lua

. marilyn

. marx

. meninos

. modernidade

. montados

. natal

. naus

. obama

. onu

. opinião pública

. pão

. papa

. paradoxos

. paz

. petróleo

. platão

. plutão

. poder

. razão

. realidade

. respeito

. salazar

. sócrates

. turquia

. utopia

. verdade

. todas as tags

Solar X-rays:

Geomagnetic Field:
>
Status
Status
 
From n3kl.org
OnlineConversion.com É um conversor para todas as medidas