Domingo, 30 de Dezembro de 2007

Pensar, pense quem lê

00036tyb

Nós pensamos que pensamos
Mas sentimos ao pensar.
Como a água que corre pela encosta abaixo
E já tem um só caminho, que ainda não molhou.
 
Caminho que só barragens, criadas por forças estranhas, podem mudar.
Ela só se sente livre, a correr e a molhar, não é.
 
Para sermos nós a fazer o curso do nosso pensar
Temos que ter a liberdade de sentir.
 
Só procura a liberdade quem lhe sente a falta
E, no correr deste pensar,
Viria, se não sentisse esperança
Que a nossa livre terra, a alargada Europa
Vai deixar de procurar a liberdade,
Vai-se atar em leis de crescente segurança.
 
Nós pensamos que pensamos
Mas sentimos ao pensar.
Guiam-nos os deuses, que são os nossos mitos,
Olímpicos, serenos, imortais
Senhores invisíveis e reais
Que criámos, em idades que esquecemos,
Livres, porque assim os queremos.
 
publicado por paradoxosfilho às 00:22
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 29 de Dezembro de 2007

...

Só depois de escrever isto me lembrei que parece uma resposta ao artigo de Pacheco Pereira sobre os blogs, no Público de hoje; todos lemos o Abrupto, de vez em quando, é culto, inteligente, informado and all, mas cada um é como cada qual, deixemo-nos de os fazer à nossa imagem e semelhança, deixemos a blogosfera ao natural. Demora cinco minutos criar um blog, há milhões, e daí?

 

 

 

Aceitei que não interessa dizer o que me dói.

Mas, a quem pode interessar que eu diga o que me não interessa a mim?

Outros haverá que o digam bem.

 

Será, será que aceitei que o que não interessa é sentir dor?

Ou dizer o que se sente?

Será que aceitei que sou o que não interessa?

 

Foi assim, desinteressadamente, que me chamaram nomes, para meu bem.

Interessou-me, porém, saber o que me sentiam: egoísta e mau.

E passei a não dizer a minha dor, só a de todos (metáforas, quiçá).

Falo da fome em Africa, da estupidez do consumo, do anidrido carbónico no ar…

 

Então disseram-me que sou burro em me interessar por isso, que é pretensão, que as pessoas normais se interessam pelas suas vidas.

 

É por isso que aqui estou, guitarra ao ombro, a dizer a minha dor. É minha, muito, muito minha e há de haver a quem interesse. É de todos por ser minha, quem sente, sente a sua e deveras me atrevo a dizer: é por sentir que se interessa, que não é desinteressado.

 

publicado por paradoxosfilho às 20:22
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 27 de Dezembro de 2007

Palavras

Enquanto te ajudo a levantar, em silêncio, procuro no teu espírito a clareza da lição de ter caído. Só se a não vir é que, passado um pouco, deito um pouco de luz com palavras claras mas gentis. A experiência é tua, só estou aqui, a teu lado, por acaso. E nas minhas palavras não há julgamento nem falo de cima para baixo, há um pouco de luz, que não te forço a usar nem a agradecer.

Não te dou a minha experiência, porque se não pode dar; dou-te a minha companhia.

Nos assuntos importantes, aqueles de que nada se sabe e de que todos temos opiniões, argumento ferozmente, opino, mas as minhas palavras não saem do contexto, não são sobre ti, são ideias. E o jogo das ideias é um jogo violento, mas tem regras, e as regras são sempre as mesmas: respeito e liberdade.

Se defenderes que se pode conversar sem respeito ou sem liberdade, defendo-me com palavras. Só com palavras, argumentos. Cumpro as regras e poderás usar esse exemplo, ou não. Eu usarei as minhas regras, a minha opinião, no que a mim diz respeito.

Se vires que tenho prazer em ver-te crescer, não vejas vaidade, vê prazer. Não tenho medo que caias.

publicado por paradoxosfilho às 15:22
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Domingo, 16 de Dezembro de 2007

Pena de morte

Este crime não mereceu um protesto diplomático da presidência portuguesa da UE. Há regimes políticos que merecem a preocupação da OMS, são uma doença que mata.

publicado por paradoxosfilho às 04:36
link do post | comentar | favorito
|

Efeméride

Oscar Niemeyer fez cem anos, naturalmente, em forma. A liberdade faz bem à saúde.
publicado por paradoxosfilho às 00:53
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 15 de Dezembro de 2007

o Pântano

Partindo desta ideia de que ”a verdade está no paradoxo”, creio que houve dois governos, em Portugal, que corresponderam ao que o país precisava: o de Mário Soares no bloco central e o de António Guterres. O primeiro juntou a tradição republicana, anti-clerical, socialista, com a da “ala liberal” do antigo regime, católica, inconscientemente monárquica, quiçá. O segundo teve um primeiro-ministro socialista e católico. Lembro-me de as sondagens mostrarem um apoio de pouco mais de 5%, tanto a um como a outro.

Mas aquela gente estava a governar Portugal, onde existe o que é costume chamar de “sistema”: as cunhas, os oportunismos, o senso comum que deixa passar a desonestidade. Aquilo a que Guterres chamou o pântano, quando bateu com a porta. Vejo-o como um daqueles portugueses que “ficaram desempregados depois das descobertas”, como diz Fernando Pessoa. O mar alto anuncia a tempestade, o pântano é traiçoeiro e não se avança, não dá para navegar.

Um pântano conhecido de quem queira construir é a LEI. Não falo do seu espírito mas dos intrincadíssimos regulamentos que, na prática, o negam. Dão-se bem os “patos-bravos”, nesse pântano, gozam com os caçadores, preocupados mais em sobreviver que em lhes dar caça. Quem sair das auto-estradas vê o “ordenamento do território” que o sistema pantanoso criou.

O conhecimento intuitivo de que a Ota não é sítio para o aeroporto, por exemplo, pode ficar submerso em complicadíssimos dossiers em que entra misteriosa legislação europeia e indígena. E pode ser que tudo se destine a levar à boleia do aeroporto a criação de uma linha de TGV entre o Porto e Lisboa, linha que custa mais que o valor da PT, conhecido quando da OPA, e que nos pode dar um quarto de hora de ganho de tempo mas, mesmo esse, é duvidoso. Dá um aumento de preço, falta de orçamento para manter a velha linha, deliberadamente mal tratada para que a nova não fique às moscas.

No pântano só sobrevivem os bichos do pântano. Os outros afogam-se.

publicado por paradoxosfilho às 12:19
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 3 de Dezembro de 2007

A porta

Havia uma porta. Lembro-me. Uma porta entreaberta, pouca luz do outro lado, meia escondida no meio de tanta coisa: ficou para depois, havia tanto que ver!

Um comboio eléctrico, gavetas de fotografias, um bilhar, consolas, um armário com marmelada, vinhos, uma biblioteca com livros nunca vistos, com obras desconhecidas de autores conhecidos... Havia um sofá com um bom candeeiro… esqueci-me da porta!

Olhei por acaso nessa direcção e pareceu-me que já não havia a fraca luz do outro lado. Só então me deu para investigar a porta.

Estava fechada.

Descobri de repente que estava preso. Foi como se acordasse dentro de um sonho e não saísse dele.

Fiz tudo para a abrir, fiz um aríete, tentei fazer uma fogueira, até. Crescia a angústia, o medo espreitava, lembrei-me da fome.

Pensei. Se o tempo fechara a porta, talvez a abrisse. Mais nada na sala me interessava, desde que sabia que estava preso. Deitei-me no sofá, a ler, até que o sono chegou e me trouxe aqui.

Por isso escrevo, porque, neste sonho, escrevo; estou livre de sair, creio— mas vou experimentar, leitor, compreenderá!

publicado por paradoxosfilho às 22:49
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

.Contador

Free Hit Counter
Free Hit Counter
Relógio do Mundo As horas nas principais cidades

.arquivos

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.Janeiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.links

.favorito

. Arte

. Afirmações de um pedreiro...

. Paradoxos filho

. Bem aventurados os pobres...

. Dignidade e respeito

. 50 anos

. O poder não é útil

. O Sol e a Lua 3

. Aquecimento global, relat...

. Escrever

.posts recentes

. Sob o signo de Sagitário

. Shministim

. "Desejo ser um criador de...

. hum

. A Verdade interessa

. Toghether

. "The true genius of Ameri...

. On the top of the world

. "De alma e coração", Uran...

. A Democracia americana ai...

. Zeitgeist

.tags

. 25 de abril

. aborto

. américa do sul

. amor

. analogias

. aquecimento global

. aristóteles

. astrologia

. beatles

. bento xvi

. bob dylan

. bolhão

. bom senso

. brasil

. bush

. caos kafkiano

. castelhano

. charlot

. chavez

. cidades

. ciência

. co2

. Constituição

. criatividade

. crise climática

. crop circles

. democracia

. desenvolvimento

. dignidade

. direita

. direitos humanos

. dr. mendes

. durão barroso

. ecologia

. educação

. emoção

. energia

. erro

. espírito

. esquerda

. estética

. ética

. europa

. f. pessoa

. f.pessoa

. família

. fome

. fumar

. g8

. gaia

. gelo

. globalização

. hipocrisia

. hospital

. humildade

. humor

. iatrogénica

. Ibéria

. império

. imprensa

. inconciente

. inconsciente

. infância

. iraque

. Islão

. jihad

. josé socrates

. jovens

. justiça

. karl marx

. lei

. liberdade

. livro-do-desassossego

. lua

. marilyn

. marx

. meninos

. modernidade

. montados

. natal

. naus

. obama

. onu

. opinião pública

. pão

. papa

. paradoxos

. paz

. petróleo

. platão

. plutão

. poder

. razão

. realidade

. respeito

. salazar

. sócrates

. turquia

. utopia

. verdade

. todas as tags

Solar X-rays:

Geomagnetic Field:
>
Status
Status
 
From n3kl.org
OnlineConversion.com É um conversor para todas as medidas