Quinta-feira, 21 de Dezembro de 2006

Humildade

         Os adultos jovens e saudáveis podem ver na humildade uma fraqueza de crianças ou de velhos. Que é que não está ao alcance do Homem, se ele nisso se empenhar? A ciência, o conhecimento, a sabedoria, tudo é ao alcance de quem se meter ao caminho. Podem ver a humildade como coisa pregada por gente que quer poder e que algum lucro tira de essa “virtude” incutir aos fracos.

         E podem guardar a convicção de que, se um dia sentirem isso da “humildade” saberão que envelheceram mas não deixarão de pensar como antes.

         Porém esbarramos, a cada passo, com aquilo que nos transcende: o tempo, o mistério da morte. E, mesmo nos campos que não são transcendentes, assuntos estudáveis, acessíveis ao nosso esforço, o tempo de uma vida não chega; e cada vez menos chegará. A humildade é uma questão de inteligência, parece ser uma atitude natural.

         “A verdade está no paradoxo”, como dizia Fernando Pessoa.

         Pediram-nos, de facto, humildade, no tempo do Estado Novo, por exemplo. Lembro-me de me dizerem, quando falava, criança, em democracia: “esse assunto já foi estudado por quem sabe, a democracia não se pode aplicar nos países do sul da Europa, não somos ingleses”—!— e ela nasceu em Atenas, que está à mesma latitude de Lisboa! A cada passo vemos “doutorados” invocar argumentos de autoridade que, uns anos mais tarde, se mostram errados. Talvez seja o caso na polémica referida em outros posts entre o historiador (com livros bem feitos, estudados) V. Pulido Valente e o pouco humilde José Júdice, o qual sugere que a Europa atravesse o Mediterrâneo.

          A condição humana pede-nos que tenhamos a ousadia de pensar sobre assuntos em que nos sentimos humildes, ignorantes. E que tenhamos a humildade de nos interrogar sobre os assuntos em que nos sentimos seguros de conhecer.

 

         Uma notícia de hoje: a guerra do Iraque já atingiu o que os USA gastaram no Vietname, em valores actuais: 549 mil milhões de dólares.

         Lembremos que muita gente pensou, humildemente, que os USA deviam saber o que estavam a fazer, com tantos conselheiros, das melhores Universidades do mundo. Foi considerado pouco humilde pensar que se não tratava da necessidade estratégica de petróleo mas, simplesmente, da necessidade de lucro da maior indústria americana: a das armas.

         Por fim lembremos a sabedoria popular, face à qual me sinto humilde e atrevido, paradoxal: “Deus escreve direito por linhas tortas”.

         O Destino parece existir, mas somos nós que o fazemos! Humildemente.

publicado por paradoxosfilho às 14:46
link do post | comentar | favorito
|
31 comentários:
De caminheiro1 a 26 de Dezembro de 2006 às 17:11
Humildade? Tenho presente uma lição de humildade: a de Américo Monteiro de Aguiar. Pai Américo, para as crianças da Obra da Rua. Padre Américo, para os restantes membros do clero. Uma lição de vida...Saudações natalícias do Francisco.


De paradoxosfilho a 26 de Dezembro de 2006 às 17:46
ora aí está alguém que deixou uma Obra! Oxalá continue a crescer e melhorar. Abraço


De antonioduvidas a 1 de Janeiro de 2007 às 17:07
Pois é, obras muitos vão por cá deixando. Agora a questão é se são boas ou más obras. Onde quero chegar? As alterações miseráveis que foram feitas na Avenida dos Aliados não são de gente com tino por mais louvores que carreguem essas sumidades de arquitectos com a anuência de Rui Rio, pessoa que eu admirava pelo facto de separar as águas com o futebol. No passado outros atentados foram feitos, lembro a destruição do Palácio de Cristal, mas actualmente em que há mais sensibilidade em relação ao ambiente é deveras repugnante o que fizeram. Bem mas os talibans também destruiram os budas milenares!... Sugiro o visionamento do blog ALIADOS http://avenida-dos-aliados-porto.blogspot.com/


De paradoxosfilho a 2 de Janeiro de 2007 às 01:51
Vi o blog, onde se comparam as obras na avenida à Bucareste de Chausescu. Vejamos: está feito, não vale a pena fazer novo concurso, novos buracos. Não aprecio o Souto Moura mas a minha humildade curva-se perante o arq. Siza. Nao aprecio o lago mas acho que a avenida ficou mais arrumada, mais clara... mais europeia (era o que queria o presidente?). Talvez pusesse um relvado à volta da menina, uma área bem grande para a gente se deitar. Vamos ver o teste do S. Joao. E lembremos que há o metro por baixo, algumas árvores teriam que desaparecer...


De antonioduvidas a 2 de Janeiro de 2007 às 19:49
Vejo que estamos em campos opostos na apreciação da intervenção nos Aliados. Eu sei que Sisa tem obra feita com muitos admiradores (quem sou eu para estar aqui a debitar, mas enfim) mas também não falta quem lhe aponte grandes falhas. No JN e no Comércio li muitos artigos de gente que sabe da poda a contestar a obra. A favor nem por isso. O metro por baixo, melhor, a estação, foi outro grande erro pois agora já é admitido que uma única estação ao fundo da Avenida era a melhor solução (em vez da actual Aliados e S.Bento ). Quanto ao lago, aquilo é mesmo um tanque que se aceitava se tivesse sido idealizado por um arquitecto de 2ª, sem nada de apelativo. O tempo vai curando as feridas e assim vamos vivendo!...


De paradoxosfilho a 2 de Janeiro de 2007 às 21:32
A polémica é salutar. É saúde que não havia no tempo da outra senhora, quando Siza fez um projecto para a pedreira de acesso à ponte Luís I e este foi recusado só porque vinha de quem não aceitava o regime. Vem desde esse tempo a fama mundial da arquitectura da chamada “Escola do Porto”, muito por projectos não realizados. Era a simplicidade, o depuramento que incomodavam o ditador, que gostava do barroco de D. João V e ditou se fizessem selvajarias arquitectónicas como a reconstrução do Paço dos duques de Bragança, em Guimarães, uma invenção a partir de uns restos de alicerces, um desprezo pela verdade histórica igual ao desprezo que tinha pela arquitectura moderna. Numa avenida com prédios do século XIX tão decorados, como a dos Aliados, a simplicidade da intervenção harmoniza o conjunto. E note-se que não houve preconceitos “modernos” ao projectar candeeiros adequados à época da avenida, houve uma preocupação funcional e muito contemporânea. Subi e desci a avenida, deserta de gente, no dia 1 de Maio de 1973 (ou 72?), com um colega estudante pela simples razão de que os cidadãos lá não podiam entrar e fui convenientemente engavetado até à meia-noite e interrogado pelo Santos Júnior pelo meu “crime”. Confesso que a apropriação daquele espaço pela arquitectura da verdade e da simplicidade tem um sabor de desforra— sou suspeito! E feliz que haja uma polémica livre!


De antonioduvidas a 3 de Janeiro de 2007 às 17:53
Caro amigo bloguista, permita-me que o trate assim à falta de melhor, eu não tenho o seu gabarito intelectual como já pude constatar no seu blog (poesia, etc) e agradeço-lhe o ter-me dado atenção.Neste seguimento e não querendo ser maçador constatando que sobre os Aliados estamos falados (também por lá andei no início dos anos 70 nos 1ºs de Maio não como anti-fascista assumido, mas a fazer número e sempre com olho vivo para vazar quando a polícia saía das carrinhas estacionadas nos Loios, Praça D. João I e Praça Filipa de Lencastre. A ex-Avenida dos Aliados já não pode testemunhar isso porque já não existe . E sobre a Praça da Batalha? Dos Leões? Da Cordoaria? Da Praça dos Poveiros? E no Castelo do Queijo uma estátua equestre sobre uma paragem de autocarros (alguém já disse, tábua de dar a ferro). Tudo intervenções muito pobres. E a reconstrução da Casa dos 24 de Távora que só foi possível o desbloqueamento pelo IPPAR devido à intervenção de Sisa (é dos jornais). Esta embora mantendo a altura original veio abafar sem necessidade as casas humildes da Sé.
No passado também se fizeram atentados mas foram feitos com nobreza. Veja-se que destruiram o Convento Avé Maria mas aí edificaram um edifício nobre. No passado recente já não aconteceu o mesmo com o Palácio de Cristal e nos nossos dias é o que se sabe.


De paradoxosfilho a 3 de Janeiro de 2007 às 19:10
Obrigado por se interessar pelo blog; as polémicas são o que lhes dá graça! Mas trouxe muitos sítios do Porto para comentar… a estação de metro na praça da Liberdade, concordo, muitas paragens atrasam o comboio. A “tábua de passar a ferro” no castelo do Queijo também concordo consigo, não era preciso gastar tanto ferro no betão armado— mas, aí, o que mais me incomoda é a incompetência técnica que leva a inundações no parque subterrâneo; de resto a intervenção, que é de um espanhol, é boa, faz sentido que o parque da cidade chegue ao mar; o “edifício transparente”, muito polémico, foi projectado para albergar os restaurantes, cafés e “roulottes”que por ali havia— porque eram úteis e não precisavam de ser desalojados; mas veio a ganância de tentar ganhar dinheiro com aquele espaço. Na Cordoaria houve excesso de intervenção: não era preciso tirar tantas árvores (embora seja bonito ver o casario do outro lado, à transparência); não era preciso tanta pedra do lado da antiga cadeia; não se deviam ter estragado os percursos… mas acho interessante que o jardim aumentasse, sacrificando uma rua— já não vejo porque não havia de ficar simplesmente o velho coreto; o eléctrico é uma pena que não funcione, no projecto estava bem! A prioridade da Câmara deveria ser reconstruir as casas que se arruínam na parte velha da cidade; os turistas ficam encantados com a cidade velha e não compreendem porque se não restaura. Um abraço agradecido, bom ano de 2007!


De antonioduvidas a 4 de Janeiro de 2007 às 18:33
Afinal temos muitos pontos em comum na maneira de ver a cidade!
Ainda voltando aos Aliados e Praça da Liberdade que se confundem, alegremo-nos por Sisa não ter levado avante aquela ideia de pôr o cavalo com o focinho para a Câmara e não o cu. Penso que foi um artigo de opinião arrasador, creio que do Arq. Gomes Fernandes, no JN, em que por a+b justificava a razão histórica da posição da estátua equestre. A partir daí nunca mais se ouviu falar no assunto. É naquela posição em que sempre esteve que D.Pedro IV é testemunho dos 1ºs de Maio. No início dos anos 70 a malta estudantil afirmava-se ali com instrução dos liders Pina Moura e Horácio Guimarães. Por essa altura na faculdade o revisionista P.Moura levou uma carga de lenha dos MRPP. Bons tempos! Agora converteu-se ao capitalismo. Era ali à volta da estátua que os DGS camuflados no meio dos contestatários colocavam braçadeiras, quando a policia de choque aparecia, e também ajudavam a dar pancadaria.
É giro recordarmos estas vivências!...
Para si e para os seus um bom ano também!


De paradoxosfilho a 4 de Janeiro de 2007 às 21:21
Não conheço o artigo que refere mas o cavalo e a Câmara definem um eixo e, como remate que é, o cavalo deveria olhar o dito eixo, para a Câmara.. Pensou-se, quando se fez a avenida, continuá-la, destruindo o palácio “das Cardosas”, que é a “parede” para a qual olha o cavaleiro. Hoje, aquele edifício, que é mais antigo que os da avenida, já tem o seu interesse, embora de uma arquitectura pobre; mas não foi projectado para remate da avenida, era apenas o que lá estava, um muro!
Não tenho recordações de pancadaria na praça mas lembro-me de lá ir num 1 de Maio durante o governo do cavaco; ambas as centrais sindicais tinham marcado uma manifestação para a avenida à mesma hora e uma recém formada força de intervenção decidiu que ia haver pancada. Eu estava lá e os dois grupos confraternizavam até que chegou a polícia e ouvi o zumbido de um tiro! Nesse dia chegou a morrer uma pessoa graças à vontade de mostrar serviço das forças da ordem. Talvez isso tenha levado o nosso actual presidente a ficar mais cauteloso com as derivas anti-democráticas. Oxalá se lembre disso nestes anos próximos, porque as condições vão de molde a que a tentação de usar a força apareça de novo.


De antonioduvidas a 5 de Janeiro de 2007 às 11:56
Eu já pertenço ao rol dos maduros. Estava-lhe a falar do antes do 25 de Abril, como é óbvio após essa data já não havia DGS (ex Pide). Quando encontrar o artigo de que lhe falei, envio-lho.


De antonioduvidas a 6 de Janeiro de 2007 às 22:02
Permita-me, já que fez o favor de me dar trela, de mais uma vez não concordar consigo quando diz " que o cavalo e a Câmara definem um eixo e como remate que é o cavalo deveria olhar o dito eixo, para a Câmara". Ora é sabido que o cavalo estava centralizado na Praça de D.Pedro, estando à mesma distância da Câmara (esta encimada pela estátua Porto que está agora a olhar para a Casa dos 24 depois de andar às bolandas pela cidade) e do Palácio das Cardosas. Daí entender que as verdades históricas devem ser respeitadas.
Referiu-se a várias intervenções (n/Sisa) de que tal como eu não concordou mas no que respeita à Casa dos 24 gostaria de ver o seu ponto de vista uma vez que também aí houve mão de Sisa conforme já referi. E já agora podemos especular se no desbloqueamento do túnel da R. D.Manuel II não terá havido também aí uma ajudinha do mestre, R. Rio estava em grande imbróglio com a ministra e como é amigo de Sisa e este pelos vistos além da competência deve ter amigalhaços no IPPAR, a coisa pode ter passado por aí, digo eu.
Quando T. Taveira estava no auge, antes do escândalo sexual, no IPPAR tudo se agachava quando lá aparecia um projecto dele. Sisa disse que não gostava da Torre das Amoreiras. Gostaria de saber se Taveira gostará da intervenção dos Aliados que alguém já chamou Praça Tianammen e com algum sentido de humor pois até o granito veio da China.
Para tentar calar os críticos a Câmara tenta dar um sentido útil ao espaço e então o que se vê: barracas e barraquinhas, palcos e tendas e agora nesta altura um enfeite pindérico de Natal! Aquele espaço merecia a nobreza que sempre teve.


De paradoxosfilho a 6 de Janeiro de 2007 às 23:58
Uma intervenção arquitectónica num espaço público destina-se a melhorá-lo. Se a estátua equestre tivesse sido virada para cima todo o conjunto teria ganho, ficaria com outra coerência. Mas aguardo o referido artigo com curiosidade.
A casa dos 24 é um exemplo de uma atitude com arquitectura, ao contrário da fantasia do referido Paço dos Duques em Guimarães. Havia alicerces e uma ideia do volume do edifício. Mas não se fez um edifício falso, como a torre que, ali perto, foi feita pelo Estado Novo, a fingir que era o original. Fez-se um monumento à “casa dos 24”, à tradição burguesa e de liberdade do Porto, que tinha o privilégio real de poder impedir os nobres de ter residência no burgo. As catedrais nas cidades europeias correspondiam ao papel actualmente desempenhado pelos centros comerciais, tinham comércio a coberto da chuva. Não tinham uma praça em frente mas apenas uma rua e quarteirões de casas. O quarteirão da Sé foi destruído em vez de ter sido restaurado. O actual edifício enquadra melhor uma Sé medieval que um espaço aberto. A mesma destruição de um quarteirão foi feita na Ribeira onde, aliás, o “pastiche” que se fez, há poucos anos, foi infeliz. O que tenho pena é que o IPPAR não tivesse tido força para impedir a construção do “shopping” do bom sucesso, uma coisa medonha! (à última hora contrataram o arq.Távora para salvar a casa e capela da quinta que lá havia, é dele essa recuperação). Acho que o túnel deveria ter continuado até ao Palácio, a saída em frente ao museu é perigosa para os peões, não se resolvem as coisas com granito no pavimento! A Avenida dos Aliados tem mais nobreza que antes, são opiniões! Também não gosto da "árvore" nem das barracas! E obrigado por comentar, é com gosto que lhe respondo 


De antonioduvidas a 7 de Janeiro de 2007 às 19:08
Bem tento fazer um esforço para gostar da intervenção na "Casa dos 24", mas não consigo. Vejo que até nem foi respeitada a traça antiga como se pode ver na imagem de hoje do historiador Germano Silva na "descoberta do Porto" no JN.
Quanto ao artigo do Arq. Gomes Fernandes estava a tentar enviar-lho mas não cabe neste espaço. Saíu em 11/01/2006 no JN, poderá tentar ver.


De paradoxosfilho a 7 de Janeiro de 2007 às 22:37
Fernando Távora era um arquitecto moderno; nunca lhe passaria pela cabeça fazer a "traça antiga" de um edificio que nao sabemos como era. O que fez foi um edificio moderno naquele sitio-- a arquitectura nada tem de fingimento, ao contrário da torre, falsa, que está na outra esquina da praça, ela mesma, pra.ca, também falsa. Aprecio esse respeito pela história. Abomino o que fizeram os "Monumentos Nacionais", o IPPAR do tempo da outra senhora, que ignorava as regras da Carta de Veneza. Se tem o artigo no computador pode mandar por mail, senao nao se vá incomodar, por favor. Obrigado.


De antonioduvidas a 8 de Janeiro de 2007 às 22:07
Muito embora o que diz sobre Távora, mas concorda comigo certamente que não havia necessidade de abafar o pobre casario do Bairro da Sé, tanto mais que foi o próprio F. Távora que nos anos 50 se opôs ao arrazamento desse bairro, na altura promíscuo mas mais populoso.
Na cidade primeiro as pessoas.
Não tenho formação académica para apreciar as obras desses arquitectos mas há coisas que me fazem muitas dúvidas. Como moro aqui em Valbom a dois passos do Palácio do Freixo aproveitei aqui há 2 anos para ir ver uma exposição mais com o fito de ver a intervenção. Que pena, paredes interiores com humidade a correr!... Na envolvência, como foi desviada a estrada, foi construído um pontão de acesso a Valbom. Sem necessidade foi de reduzidas dimensões onde os carros pesados têm de tomar a faixa contária para curvar!... Tudo obra com a batuta de Távora!


De paradoxosfilho a 8 de Janeiro de 2007 às 23:07
Creio que a sombra da casa dos vinte e quatro não é o verdadeiro problema da encosta Norte do morro da Sé -- já tinham sombra! De facto, num país que tem três vezes mais fogos que habitantes, não se percebe que haja gente a viver em casas sombrias. Paredes a escorrer? É muito habitual desde que as janelas de alumínio atrapalham a ventilação que se fazia pelas frinchas. As paredes frias condensam a humidade do ar, a qual é alta quando há muita gente--nós expiramos muitos litros de água por dia. Mas pode ter havido erro do arquitecto, não estou por dentro dessa recuperação. Sei que ele propôs que fosse transferido o edifício que fica em frente à entrada principal do palácio do Freixo e não lhe fizeram a vontade: erro de economia, o Palácio do Freixo poderia ser uma fantástica atracção turística. E erro de arquitectura: um palácio barroco cuja entrada não é um largo espaço aberto deixa de ser barroco! Talvez a responsabilidade desse fraco desenho da curva seja, também ele, da responsabilidade de fracos economistas que fazem fracas poupanças. Claro que os bons arquitectos também erram! Aos que são mesmo bons o senso comum, incomodado, aponta-lhes como erro o seu bom senso. Porque valorizam o que tem valor antes do tempo.


De antonioduvidas a 9 de Janeiro de 2007 às 21:22
Bem, eu queria dizer que as dimensões da Casa dos 24 vieram agravar o sombreamento do pobre bairro da Sé. Mas adiante
Eu também queria dizer que as humidades que vi no Palácio do Freixo vinham de cima.
Quanto à entrada desse mesmo Palácio, era do lado do rio, único meio de acesso na altura, portanto não concordo muito com o que diz que deveria "haver um largo espaço aberto", na actual entrada.
(Aproveito para corrigir em bom português no comentário anterior "arrasamento"


De paradoxosfilho a 10 de Janeiro de 2007 às 16:04
Veja o Álbum que pus nos “links”, s.f.f.. De facto o Palácio do Freixo tem dois eixos que se cruzam no seu centro e comandam a arquitectura. Todos os alçados estão tratados como frentes mas creio que o arq. Távora gostaria de ter valorizado a entrada nobre, a que este Album de fotos chama “Lateral esquerdo”, por onde se entrava a cavalo e se subia, depois, uma escada exterior ricamente decorada. De notar que a fábrica de moagens foi dos primeiros edifícios pré-fabricados, desmontável, portanto; o que eu quis dizer foi que a opção de a deixar foi um erro económico e arquitectónico, o eixo paralelo ao rio tem a mesma importância que o que lhe é perpendicular, teria que haver um jardim barroco onde está uma fábrica. O edifício é invisível a quem passa na estrada e está desaproveitado. Sem a fábrica à frente não haveria possibilidade de calar a indignação popular por este desperdício. Espero que os turistas dos barcos do rio o apreciem e nele entrem pelo belo alçado a que este Album chama “Traseiras”.


De antonioduvidas a 10 de Janeiro de 2007 às 22:20
Tentei enviar-lhe por e-mail o artigo do Arq. Gomes Fernandes, ñ sei se recebeu c/sucesso. Phttp://avenida-dos-aliados-porto.blogspot.com/2006/01/opinio-28-respeitar-o-espao-pblico.html


De paradoxosfilho a 11 de Janeiro de 2007 às 01:22
Obrigado pelo artigo, que li agora. A fotografia é bonita, satisfaz os olhos de quem está empoleirado no balcão da Câmara, que mais ninguém a via! E as pessoas, quando se juntavam na avenida, calcavam relva e jardim, talvez porque o desenho é “datado”, como lembra o autor do artigo, datado porque pouca gente ali andava e datado porque ponto de vista do poder de cima, do dos donos dos edifícios que o ladeavam; simbolicamente, o novo desenho é para ser visto da rua, se reparar bem tem inúmeras perspectivas novas e agradáveis. Cá em baixo, na rua— enquanto não houver, de novo, cargas policiais sobre o povo e enquanto ele puder pisar o seu espaço, o público! Não sabia que D. Pedro olhava desafiadoramente os miguelistas que cercavam o Porto; é, de facto, uma história a respeitar. Mas é, hoje, que o Porto não está cercado, mais preciso que um homem livre olhe o poder autárquico desafiadoramente, ele é que nos tira a liberdade, pelo pais todo, ele é que se serve mais a si que aos cidadãos; mas são opiniões! Obrigado por polemizar, é verdade que deveríamos ter um maior papel no desenho urbano, ele é de todos!


De antonioduvidas a 14 de Janeiro de 2007 às 19:13
Ainda sobre o Palácio do Freixo agradeço os Links. Na minha óptica de leigo na matéria acho que se deveria manter a cobertura lateral com lousa. Assim a reconstrução seria mais verdadeira.


De paradoxosfilho a 14 de Janeiro de 2007 às 23:20
É uma questão de gosto, o revestimento. Gosto muito da lousa e vou fazer uma parede com esse revestimento numa recuperação duma casinha de arquitectura popular tradicional. Além disso é uma pedra da região, é sempre adequado usar os materiais da região. Neste caso tê-la-ia usado nas pirâmides que encabeçam os quatro ângulos do edifício. Mas não nas paredes porque se trata de um palácio e a pedra trabalhada faz um contraste muito bonito com a parede caiada. Também gosto de ver as caixilharias brancas. Já agora, a Casa de Ramalde, também obra do Nasoni, ficaria bem caiada. A argamassa de cal caiada não deixa passar a água líquida mas permite que passe o ar e a casa “respira”, o que é saudável para as paredes e para as pessoas. Pode-se misturar com alguma tinta plástica, para não sujar quem se encoste mas, se for só tinta, lá se vai o conforto que a cal dá. Térmico, também. Não é só uma questão de gosto mas é sobretudo! Todo em lousa o edifício era soturno, e a recuperação não precisa de ser “fundamentalista”, pode e deve melhorar quando isso não mexa com a arquitectura do edifício. Obrigado por polemizar 


De Manuela dl ramos a 23 de Janeiro de 2007 às 07:22
"...por que razão a estátua do famoso cavalo real tem de estar de costas para a Avenida..."

«Como já (na PNED) C. Carvalho chamou a atenção, numa entrevista à revista Porto Sempre (nº 8, p.11) A. Siza "alegadamente" revela ter pouco conhecimento da História do Porto ao se interrogar sobre a razão pela qual a estátua do famoso cavalo real tem de estar de costas para a Avenida. (Não é propriamente o cavalo real que nos interessa mas D. Pedro IV a cavalo, mas adiante...)
Como não deve ser o único a interrogar-se (apesar de ser o único a ter um projecto em mãos...)aqui ficam os esclarecimentos de um perito (transcritos com a devida autorização)

«A estátua estava, e graças aos portuenses ainda está, virada a Sul por dois motivos simples que me parece que têm de ficar esclarecidos de uma vez por todas:
1 - Razão Simbólica -> D. Pedro está virado contra o absolutismo Lisboeta de seu irmão D. Miguel.
2 - Razão geográfica -> A iluminação solar no hemisfério Norte tem origem ao Sul durante grande parte do dia solar e nunca (mas nunca mesmo) vem de Norte (aliás, regra seguida pela grande maioria das estátuas do Porto e da Europa).

Conclusão: virar a estátua terá as seguintes conclusões:
1 - Perderá simbolismo histórico e a vontade de quem a decidiu ali colocar.
2 - Passará a ter a sua parte frontal escura durante o dia, ou pelo menos ensombreada.
3 - Matará definitivamente o conceito de Praça da Liberdade, a mais importante da cidade no passado.
4 - Implicará, segundo circula neste fórum, custos absolutamente pecaminosos.»
Jorge Ricardo Pinto (geógrafo-prof. Ensino Superior)

http://avenida-dos-aliados-porto.blogspot.com/2005/07/por-que-razo-esttua-do-famoso-cavalo.html


De paradoxosfilho a 25 de Janeiro de 2007 às 19:30
Fiquei com a impressao, depois de ir ao seu blog, que a lei da consulta pública nao foi cumprida. Precisará de ser regulamentada para ser levada a sério? Acho que ela faz sentido e espero que passe a funcionar. Mas terá que haver um lugar para o ponto de vista da arquitectura e urbanismo, o público nao há de ter apenas pontos de vista históricos e geográficos (e diga-se que esses entram nas decisoes que sao tomadas ao projectar-- e entraram, a estátua mantém-se!). Uma proposta/provocaçao (nao há perigo de ser executada!): Pôr o cavalo e seu cavaleiro a vir, geográficamente, do Brasil, iluminado pelo nascente. Como se diz neste blog, algures, foi para lá que Portugal emigrou, é de lá que nos há de chegar, de novo, o nosso espírito, a nossa liberdade.


De antonioduvidas a 25 de Janeiro de 2007 às 22:54
Custa-me a crer que um arquitecto com a craveira de Sisa Vieira tivesse descurado esses aspectos quando pensou em alterar a estátua equestre, mas!...
O certo é que abandonou a ideia e quanto a mim ainda bem, e seria só por motivos economicistas? Não acredito.


De paradoxosfilho a 26 de Janeiro de 2007 às 12:40
Em princípio um projecto toma em conta todos os critérios; o preço é um deles, é "inestético" escolher uma solução muito cara. Para mim, o critério espacial, a necessidade de um remate ao eixo da avenida prevaleceria sobre os outros; mas deve ser feito algo que agrade à maior parte das pessoas-- incluindo os arquitectos, se possível! Do ponto de vista simbólico a necessidade do Porto se libertar de Lisboa deveria passar à história. Não vejo que, hoje, sirva de pretexto para ter a estátua equestre virada para a parede em vez de dominar a avenida. Repito que respeito a opinião contrária, que parece ser a da maioria das pessoas.


De antonioduvidas a 18 de Janeiro de 2007 às 18:06
Por mão amiga soube dos conhecimentos académicos do meu interlocutor - eu trabalhei no ensino (1º ciclo) - com quem tenho tido o prazer de trocar pontos de vista nem sempre coincidentes, sobretudo na Baixa, sobre as intervenções na cidade do Porto. Mas há uma questão que me persegue. Assim por exemplo no caso na berra do referendo do aborto há movimentos do "sim" e outros do "não" que demonstra pluralismo de opiniões embora eu não alinhe para esse peditório, como é que se compreende que sobre a intervenção dos Aliados só encontrei artigos de opinião nos média, contra! Gente que percebe da poda insurgiu-se com o que estava a ser e foi feito. Mesmo historiadores como Germano Silva e Helder Pacheco entre outros, críticos do que estava a delinear-se não foram ouvidos. Parece que só Rui Rio aprovava, pudera, o projecto e refugiando-se sempre que a obra era da autoria de "vacas sagradas"!
Sobre a intervenção de Carlos Alberto também gostava de saber a sua opinião. Eu gosto, e aqui graças a R. Rio que mandou às malvas o projecto certamente da modernice que para lá estaria previsto a avaliar pelo que foi feito nas imediações - Leões, Parada Leitão, Cordoaria.....
Grato pela disponibilidade e pelos seus conhecimentos técnicos, antonio


De paradoxosfilho a 18 de Janeiro de 2007 às 23:47
Houve um conceituado crítico de arquitectura, Kenneth Frampton, que dedicou, há umas décadas, um livro, “O Regionalismo Crítico” à Escola do Porto. Ela é, de facto, apreciada internacionalmente, pode-se dizer que o arq. Távora e Siza tiveram influência no movimento moderno em arquitectura, na teoria dele e eu aprecio-os. Já não aprecio Souto Moura, sei que toda a gente tem o seu pensamento e os seus gostos, todos respeitáveis. Gostaria de lhe lembrar que quando se fez a torre Eiffel a intelectualidade de Paris, em peso, foi contra! Os jornais estavam cheios de críticas arrasadoras; porém ali está um monumento à “arquitectura dos engenheiros” e ao seu tempo, uma obra magnífica. Estou convencido que, globalmente, o arranjo dos Aliados será apreciado (até tenho esperança que, um dia, cheguem o cavalo mais para baixo e o virem para cima!). A praça Carlos Alberto não é costume ser sítio para multidões e os canteiros não atrapalham, dão algumas plantas num sítio que, por ter um parque subterrâneo, não tem árvores. Até acho que gosto de a ver despida, tem edifícios interessantes. E obrigado por polemizar!


De antonioduvidas a 28 de Janeiro de 2007 às 23:18
Interessei-me por ver na RTP na última quarta-feira "A verdadeira história da Torre Eiffel". De facto durante muitos anos esteve na calha a sua demolição.
Abordei só aspectos pontuais, de intervenções que não gosto, de Sisa Vieira (Baixa) ou até de Távora (Casa dos 24) que nada têm a ver com o saber reconhecido desses arquitectos .


De paradoxosfilho a 30 de Janeiro de 2007 às 01:03
E abordou muito bem! Da discussão nasce a luz! Estas polémicas fazem-nos sentir cidadãos.


Comentar post

.Contador

Free Hit Counter
Free Hit Counter
Relógio do Mundo As horas nas principais cidades

.arquivos

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.Janeiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.links

.favorito

. Arte

. Afirmações de um pedreiro...

. Paradoxos filho

. Bem aventurados os pobres...

. Dignidade e respeito

. 50 anos

. O poder não é útil

. O Sol e a Lua 3

. Aquecimento global, relat...

. Escrever

.posts recentes

. Sob o signo de Sagitário

. Shministim

. "Desejo ser um criador de...

. hum

. A Verdade interessa

. Toghether

. "The true genius of Ameri...

. On the top of the world

. "De alma e coração", Uran...

. A Democracia americana ai...

. Zeitgeist

.tags

. 25 de abril

. aborto

. américa do sul

. amor

. analogias

. aquecimento global

. aristóteles

. astrologia

. beatles

. bento xvi

. bob dylan

. bolhão

. bom senso

. brasil

. bush

. caos kafkiano

. castelhano

. charlot

. chavez

. cidades

. ciência

. co2

. Constituição

. criatividade

. crise climática

. crop circles

. democracia

. desenvolvimento

. dignidade

. direita

. direitos humanos

. dr. mendes

. durão barroso

. ecologia

. educação

. emoção

. energia

. erro

. espírito

. esquerda

. estética

. ética

. europa

. f. pessoa

. f.pessoa

. família

. fome

. fumar

. g8

. gaia

. gelo

. globalização

. hipocrisia

. hospital

. humildade

. humor

. iatrogénica

. Ibéria

. império

. imprensa

. inconciente

. inconsciente

. infância

. iraque

. Islão

. jihad

. josé socrates

. jovens

. justiça

. karl marx

. lei

. liberdade

. livro-do-desassossego

. lua

. marilyn

. marx

. meninos

. modernidade

. montados

. natal

. naus

. obama

. onu

. opinião pública

. pão

. papa

. paradoxos

. paz

. petróleo

. platão

. plutão

. poder

. razão

. realidade

. respeito

. salazar

. sócrates

. turquia

. utopia

. verdade

. todas as tags

Solar X-rays:

Geomagnetic Field:
>
Status
Status
 
From n3kl.org
OnlineConversion.com É um conversor para todas as medidas