Domingo, 17 de Junho de 2007

"Não discutimos a família"

FamíliaÉ costume chamar à família uma instituição; creio que é mais que isso.

As instituições têm uma vida longa, resistem às transformações do mundo e é por isso que chamam instituição à família. Mas elas também têm sempre a marca do tempo em que nasceram, embora resistam aos tempos novos, adaptando-se. Assim com a Monarquia ou com a República, por exemplo.

Se considerarmos a família como uma instituição ela teria a marca dos tempos pré-históricos, estaria ligada à sobrevivência, que era a ocupação principal dos nossos antepassados— e ainda é a de uma boa parte dos nossos contemporâneos!

Ora, não é apenas porque as crianças precisam da família para sobreviver que a nossa espécie se organizou assim.

A nossa é uma espécie ambiciosa, pretende entender e melhorar o mundo, não apenas sobreviver.

E para que um filhote de homem floresça em todas as suas potencialidades, cujos limites ainda não conhecemos, não basta que tenha comida e abrigo. Precisa de sentir segurança e prazer.

Só nessa base poderá desenvolver a razão, num mundo em que só se faça como ele quer se ele tiver razão e só nessa base poderá chegar a ser capaz de amar, de aceitar incondicionalmente outras pessoas, aquelas que amar.

Só a partir daí poderá ter desejos ou projectos que não estejam relacionados com a sua sobrevivência, com a ânsia de fugir ao medo, mas que sejam criações, contribuições sociais.

Como seja a de criar uma família que o seja, que seja mais que a necessidade de sobreviver, de segurança institucional.

Só quando os seus desejos transcenderem os da sobrevivência “alargada”, os de ter uma boa casa, um bom automóvel, férias no Brasil… poderá aprender a usar as suas potencialidades de nascença, a intuição a que chamamos espiritual, o ser criador do seu destino, o ter a visão holística a que, na nossa cultura, se chama estar na graça de Deus.

Este desenvolvimento natural do homem começa na família, é a sua razão de ser.

Quem toma a família como um “valor” pode estar a tomar um meio pelo seu fim. É como as pessoas que precisam de um carro para se deslocar e transportar coisas e o compram porque ele é bonito e as envaidece, esquecidas do seu fim, como um Ferrari na garagem. A “instituição” da família, tão útil para criar gente, pode ficar pela procura da sua própria segurança, pela defesa da sua forma institucional e a gente que cria ficar ao serviço do utensílio para a criar.

O paradoxo é que esta gente (dita a “de direita”, leia-se a que tem algum “capital”, que é o dinheiro que se não ganha e gasta todos os meses), gente que tem óptimas condições para criar filhos que se aproximem daquilo para que todos nascemos, faz da família um fim e não um meio. Interessa-se mais pela forma das suas crias que pela sua alma.

Macaqueiam o amor, acreditam sinceramente que ele consiste em ralhar com os filhos quando têm os cotovelos em cima da mesa, em mostrar-lhes que os não aceitam se não forem “educados”, porque ser educado, um meio para conviver com os outros, se tornou num fim.

E, como cultivam a forma da família, muito se assustam com a “agressão” à “instituição” que estes tempos lhes parecem fazer. Entretanto, sem darem por isso, põem em causa o seu conteúdo, a sua essência. A “agressão” não vem do exterior, vem da “institucionalização” da família, que é coisa muito mais antiga que qualquer instituição. E que não precisa desses defensores— nem destes!

 

publicado por paradoxosfilho às 02:35
link do post | comentar | favorito
|

.Contador

Free Hit Counter
Free Hit Counter
Relógio do Mundo As horas nas principais cidades

.arquivos

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.Janeiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.links

.favorito

. Arte

. Afirmações de um pedreiro...

. Paradoxos filho

. Bem aventurados os pobres...

. Dignidade e respeito

. 50 anos

. O poder não é útil

. O Sol e a Lua 3

. Aquecimento global, relat...

. Escrever

.posts recentes

. "Não discutimos a família...

.tags

. 25 de abril

. aborto

. américa do sul

. amor

. analogias

. aquecimento global

. aristóteles

. astrologia

. beatles

. bento xvi

. bob dylan

. bolhão

. bom senso

. brasil

. bush

. caos kafkiano

. castelhano

. charlot

. chavez

. cidades

. ciência

. co2

. Constituição

. criatividade

. crise climática

. crop circles

. democracia

. desenvolvimento

. dignidade

. direita

. direitos humanos

. dr. mendes

. durão barroso

. ecologia

. educação

. emoção

. energia

. erro

. espírito

. esquerda

. estética

. ética

. europa

. f. pessoa

. f.pessoa

. família

. fome

. fumar

. g8

. gaia

. gelo

. globalização

. hipocrisia

. hospital

. humildade

. humor

. iatrogénica

. Ibéria

. império

. imprensa

. inconciente

. inconsciente

. infância

. iraque

. Islão

. jihad

. josé socrates

. jovens

. justiça

. karl marx

. lei

. liberdade

. livro-do-desassossego

. lua

. marilyn

. marx

. meninos

. modernidade

. montados

. natal

. naus

. obama

. onu

. opinião pública

. pão

. papa

. paradoxos

. paz

. petróleo

. platão

. plutão

. poder

. razão

. realidade

. respeito

. salazar

. sócrates

. turquia

. utopia

. verdade

. todas as tags

Solar X-rays:

Geomagnetic Field:
>
Status
Status
 
From n3kl.org
OnlineConversion.com É um conversor para todas as medidas